Minhas considerações sobre o livro Meg Anjou

OiOi, turubom?

Faz um tempinho que eu não trazia esse quadro aqui no blog porque eu estava passando por uma ressaca literária que achei que não conseguiria me libertar. Comecei esse livro ano passado e nas últimas semanas retomei fortemente a leitura, conseguindo finalizar o livro. Eu e a autora Carolina Maria nos conhecemos ano passado e fizemos um combinado: ela leria o meu livro e eu o dela! Já adianto que é incrível demais conversar com o autor de uma obra e perguntar sobre os personagens e a história, viu?

Então, bora lá! 


Sinopse:  A cidade foi consumida por uma violência sobre-humana, e a simples ideia de sair durante a noite cobria o rosto das pessoas com uma máscara de horror. É a noite que eles surgem. E por onde passam, levam o caos e a morte consigo.

Mas foi só quando meu irmão foi sequestrado que entrei em desespero. Não pediram resgate. Não nos deram uma chance de tê-lo de volta.

A angústia e a ausência que me atingiram num baque feroz logo se transformaram em coragem e loucura. Eu sentia que ele estava vivo.

E tinha o pressentimento de que estava quase descobrindo algo importante, como se uma coisa dentro de mim fosse tão sobre-humana quanto aqueles que eu mais temia.

Eu iria atrás do meu irmão. Mesmo que o preço dessa ousadia fosse me aproximar do meu pior inimigo.



Comecei a leitura achando que não conseguiria gostar por não ler tantos livros de fantasia, mas aos poucos a história foi ficando tão envolvente que eu me vi totalmente imergida na história! O livro tem 297 páginas e tem um tamanho um pouquinho maior do que o convencional.

A história é dividida em dois grupos: metamorfos e humanos, em que neste primeiro há a subdivisão dos guardiões e dos exterminadores. Temos a principal personagem Meg Anjou, conhecida por Meg, e os outros protagonistas: Daniel, Agatha e Marcos. Todos eles possuem suas características psicológicas bem construídas e desenvolvidas, o que conforme o desenrolar da história culmina na solidez de cada personalidade, mantendo um enredo coerente e claro! 

Uma das coisas que mais me chamou a atenção na escrita da Carol é que ela escreve com uma riqueza de detalhes indiscutível. Por exemplo: se ela vai falar de uma janela, ela vai falar que esta possui uma arquitetura barroca, com aramescos no sentido de dentro pra fora, formando uma moldura. Ou seja, o leitor consegue imaginar fielmente o que se passa na cena do livro. 

As cenas mais marcantes para mim foi a da batalha final, não só da Meg contra Karen, como a de Ágatha, Marcos e Daniel contra os exterminadores. Eu vinha lendo no trem depois do estágio e é incrível que mesmo eu estando tão cansada consegui ficar atenta a tudo o que se passava na história. Também dei uma risada genuína no meio da praça de alimentação lendo a parte da Ágatha na batalha (veja nas imagens ao final). 

Eu me identifico um pouco com todos os protagonistas, sendo impossível para mim escolher qual o meu favorito! Separei as características mais marcantes de cada um:

1. Meg: Determinação
2: Ágatha: Companheirismo
3. Marcos: Senso de humor
4. Daniel: Sensibilidade


Trecho que bequinha soltou uma gargalhada na praça de alimentação do nada



Trecho da escrita detalhada da Carol



Vocês já leram o livro? O que acharam? 💛

Comentários

Postagens mais visitadas