Minhas considerações sobre Fate: A Saga Winx

OiOi, turubom?

No post de hoje vim contar pra vocês quais foram minhas percepções e opiniões sobre o live action que a Netflix promoveu do desenho O Clube das Winx. Quem me conhece sabe que eu sempre gostei muito, tanto que quando o desenho parou de ser reproduzido no SBT, eu assisti as temporadas no YouTube (MAGIA WINX).

Então, bora lá! 


Elenco Fate: A Saga Winx

Elenco

Um ponto positivo que eu destaco é que as protagonistas possuem sua beleza própria, o que traz uma diversidade importante. A Musa, por exemplo, possui traços indianos que não vemos geralmente em protagonistas, da mesma forma que Layla e Terra também são de extrema relevância, tendo em vista de que personagens negros e gordos sempre sofrem muita retaliação no mercado cinematográfico. Entretanto, ainda senti uma falta e até mesmo uma "representatividade falsa" da parte da produção, já que isso aconteceu em apenas uma parcela pequena do elenco.


Personagens

A não-presença de todas as Winx me deixou... triste. Houveram boatos de que a Flora apareceria na segunda temporada (acredito que a Tecna também), e que ela seria a prima da Terra. Se isso for verdadeiro, a Netflix pode desenvolver um enredo interessante e isso me deixa mais animada.

Os violões Beatrix (que é a junção das Trix), Riven e Dane foram ótimas escolhas, principalmente a Beatrix que representou muito bem boa parte dos atributos das Trix's, como a manipulação, provocação e poder. 

Comparação de Beatrix e As Trix 

Riven e Dane


Falando agora da característica que mais me desanimou na série: o triângulo amoroso de Bloom, Stella e Sky. Mudaram praticamente toda a personalidade da Stella, colocando ela como uma pessoa amarga e falsa, sendo que no desenho ela era a mais alto astral de todas as Winx, além de ser um conflito batido e maçante (vacilou, Netflix).


Poderes

Os poderes e as habilidades foram um dos pontos mais positivos pra mim! Amei o poder da Musa, que já surgiram teorias de que ele será aperfeiçoado na segunda temporada, originando o poder da música. Isso faz muito sentido já que ela tinha o hábito de usar o fone como uma escapatória para não se concentrar nas emoções dos outros, também havendo a semelhança das características das ondas de pensamento e sonora.

Não vou negar que gostaria de ver todas se transformando, como aconteceu [SPOILER SPOILER SPOILER] com a Bloom, mas entendo que eles readaptaram a história para encaixar outros enredos.

    A Stella ficou com Deus, a gente que lute


Enredo

A história em si possui alguns conflitos interessantes, como a história de Rosalind, o mistério dos cascados e a história de cada personagem. Isso foi um ponto a ser destacado, pois conseguimos entender o poder e um pouco do contexto de cada um. 

A união mais intensa das fadas com os cavalheiros foi uma característica diferente, bem explorado e inserido nos dois mundos. Os diálogos e os combates lado a lado deixam a história mais envolvente e desenvolvida, criando aquele mundo ficcional que a gente ama.

A Netflix optou por fazer a adaptação da série deixando ela fortemente adolescente, então drogas ilícitas e assuntos apelativos foram bem presentes, originando em uma história que possui traços genéricos e desnecessários, já que toda série/filme adolescente eles abordam da mesma forma.


O que vocês acharam da série? Conte nos comentários e até a próxima 💛


📍 Instagram:

📍 Facebook: 

📍 Compre meu livro de poemas na Amazon:

Comentários

Postagens mais visitadas